quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Prelúdio de um Serial Killer

O homem vestido de negro se aproxima
Abre os portais com um grampo afiado
Invade seu paraíso particular
Com o exclusivo intuito de matar

Seu pagamento já foi extraído
Sua garantia antecipada
Rastros de sangue no chão
Se confundem com passos na escada

É alta madrugada e os animais dormem tranquilos
Nem no sonho mais lúcido imaginam
Que há uma treva à espreita
Louca para tornar o sono infinito

As luvas de couro protegem as digitais
Com os olhos de raio-x, avista Madame X em seu leito
Sua presa está pálida e nua
Faça bom proveito

O punhal de prata perfura o corpo da mulher
O sangue jorra em sua fronte
Ouve-se um trompete alucinado
Som que vem de onde?

Se vira e desce a escadaria da mansão
Despeja no cálice uma bebida azul
Antes de partir, um simbólico troféu
Tomou para si o Birth of The Cool

(Edu Neves)

2 comentários: