segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Meu Dia Começa às 20:00

Levantei-me e alguém me serviu óleo diesel em um copo descartável
Inalei a fumaça do radiador e me contive
No recipiente hidráulico, dois dedos de Vodka
Café amargo nos pneus para dar brilho

No lugar da Cruz, os dez mandamentos
Abasteço as minhas ilusões com a Brigitte Bardot, que me olha do pôster na parede velha
O rosto imóvel nos aros brilhantes permanece límpido
Então minhas mãos se enchem de negro

O nível da lua começa a baixar
Logo se nota o sol na costa leste, manhã adentro
Mudança de turno
Os abutres já se despediram

Agora sim, bebo o conhaque matutino e aperto a mão do vigilante
Passos displiscentes pela portaria e logo estou na rua
Então pego meu itinerário com destino à cidade dos sonhos lúcidos
Chegando, deito. Minha cama é o Mar Morto.

(Edu Neves)

2 comentários:

  1. Uia!!! Jimizinho escreve poesias!!!

    Parabéns meu amigo!!

    ResponderExcluir
  2. Adorei tudo por aqui.. principalmente esta poesia.
    Linda demais.

    yamar

    ResponderExcluir