quinta-feira, 29 de março de 2012

O Camaleão Sulista

Chegou e parou na minha frente cruzando os braços
Chapéu branco com uma pena verde e badulaques
Disse-me algo inteligível, mas era amável
Apenas me acenou, mas a sensação foi agradável

Olhou para os meus sapatos e se espantou
Estavam sujos de lama
Deitei na cama flutuante que me arrumou
E adormeci sonhando com a fama

Teu coração cabia o mundo e ainda sobrava espaço
Espaço sideral com estrelas cadentes pedindo carona
Chorei, fiquei ''Down'' e abracei o abraço
Depois lhe fiz um poeminha cafona

Coloquei uma rosa azul no seu cabelo
E então o Sol bateu a rosa ficou vermelha
Me ocorreu passar pelo caminho do meio
Mas fui impedido pela sua centelha

Na sua terra faz frio, mas seu coração está em chamas
Qualquer dia desses, me empresta o seu cobertor
Quem sabe até dou sorte, e dirás que me ama
Nunca saberei em que diabos pensas quando pensas na minha dor

Tem umas coisinhas que eu sei
Seu cabelo é amarelo, teu braço é forte
Tuas mãos são bonitas; e nem citei o decote!
Case-se com o Jokerman, mas me deixe ser o mascote

(Edu Neves)

*Dedicado à guria mais cool do Planeta B-612

Um comentário:

  1. Ah, Jim, que lindo!

    Garota de sorte esta que ganhou seus versos... que te inspirou.
    Tomara que vcs tenham muitas alegrias e prazeres.

    Beijo

    *;-)


    *yamar

    ResponderExcluir