domingo, 15 de abril de 2012

Delirantes Formas de Amar

Sem razão, te condeno à morte
Misturo os remédios com o ópio, sem ódio
Minha alquimia não presta
Nessa vida ninguém presta
Queria só o seu amor, me empresta?

Faça festa quando eu voltar da guerra
É bom te ver de novo
Tomar sorvete de côco
Beijar seus olhos castanhos
E te amar de um jeito estranho

Não diga palavras em vão
Confie no seu homem
Nunca diga não
Lhe estenda as mãos
Façam juntos uma nação

Olhe pra dentro, mas continue viva
Durma o sono dos injustos
Acorde e beba um trago
Faça o que for do seu agrado
Prometo não chegar atrasado

Fique comigo e durma um sono abafado
Veja se tem alguém do lado
Pode ser o diabo
Pode ser o seu gato
Nosso amor não tem contrato

(Edu Neves)

Nenhum comentário:

Postar um comentário