quinta-feira, 2 de agosto de 2012

A Garota de Ontem

Você sabe, cara...
Ela te deixou louco e tomou a sua alma
Acabou com a comédia do seu drama
Quando viu, estava sozinho em sua cama

É, amigo...
Nunca sabemos como será a próxima mão
Aproveite o par de damas que tem consigo agora
A fúria do inverno chega, amigo. E não tem hora...

Cara, eu nunca imaginei que isso fosse real...
Crescemos mas continuamos insólitos, sagrados
Tua guia maléfica te levou a caminhos tortos
E então você sabe, eu morri no terceiro ato

Velho sábio, me dê um sinal de fumaça...
Quero ao menos completar a prova
Que passe em branco as desilusões
As difamações de minha alma morta

Cara, então eu voltei...
Voltei e bebi a tequila mais ardilosa do mundo
Aquele bar não é mais o mesmo, né?
Os frequentadores não tem mais rumo

Cara, vou ficar por aqui mesmo...
Meu trem está chegando e não pretendo perdê-lo
Já perdi bastante coisa no caminho
Espero tê-la esquecido quando tornar a vê-lo

(Edu Neves)

PS.: Não há nesse poema ridículo nenhuma alusão à canção The Girl from Yesterday da banda The Eagles e muito menos à maconha.


Um comentário:

  1. O bom do poema é que já considera a garota como passado.
    Parece que o poeta já está preparado para a garota - ou garotas - do amanhã. =P

    Aline

    ResponderExcluir