segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Deixei meu coração no Arpoador

Sim, Mr. Bennet, São Francisco está a milhas de distância da minha alma
Guardei meu dinheiro no banco de favores de um gueto qualquer
Fiz minhas escolhas e agarrei a cauda do cometa
Amei o primeiro suspiro da última mulher

Peguei o metrô sem calote e desci em um beco escuro
Beco da minha vida escura e clorídrica
Cheguei nas areias de um oceano fantasma
E a água era mais viva que minha mente farta

Sonhei com aquelas pegadas na superfície
Entendi que as pedras me diziam para acender a ideia perdida
Acendi e me apaguei em cinco minutos eternos de glória
Vida bandida voltou antes da hora

Usei a máscara do príncipe negro
Voei com as asas de um cavalo alado
Ri com as lágrimas do horror
Deixei meu coração no Arpoador

(Edu Neves)


Um comentário:

  1. CARAMBA...VC ESCREVE MUITO BEM *_____*
    PARABÉNS,EDU!


    FALEI Q IA PASSAR...

    A MOÇA DOS GATOS :)

    ResponderExcluir