sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

O Sol se Desfez

O Sol se desfez quando o assassino lhe estendeu o cálice
Com cuidado, lhe tragou as escaras de uma vida passada
Então passou o chapéu e alguém depositou os créditos roubados
Rosas roubadas em um jardim caótico

O Sol se desfez quando a noite te invadiu sem pedir licença
Com as armas guardadas depois do genocídio
Alguém te roubou de si mesmo
E lhe tomou as crenças

O Sol se desfez quando o café ficou amargo
Com as promessas de amor não vividas
Com a lascívia das ondas no porto
Com a luz em cima do armário

O Sol se desfez quando amanheceu no seu quarto
Manhã fria e sem sono adentro
Mil pesadelos
Partidos em quatro

(Edu Neves)


Um comentário:

  1. Muito bom Jimizinho!!! /Gosto das coisas que vc escreve quando elas inspiram sentimento.
    Beijos
    anjonegro

    ResponderExcluir