quarta-feira, 20 de março de 2013

Down to México

Ele chegou com as cartas na manga
Já sabendo-se imortal, virou os ases e ganhou o jogo
Os imorais o olharam com certo ódio e repulsa
No entanto, ele se virou e foi para a outra mesa

Já em outro mundo, não mais se perdeu pra ganhar depois
Bebeu seu copo de tequila já pela metade
Se inclinou para o homem com o chapéu enorme e sorriu
Um riso com quatro valetes e o coração de Eva

Outrora, podendo precisar, iria aproveitar-se daquele espírito
Já tinha vendido sua alma à um índio
Poderia vender algo mais, que não fosse a próxima mão sem sorte
Quando os portões se fecham, é melhor não contar com ela

Depois de esvaziar os bolsos, saiu como o bom ladrão justo e dourado
Calçou novamente os calos e as armaduras
Voltou para onde não há lugar para os velhos
Santo lugar com um nome santo, México

(Edu Neves)


Nenhum comentário:

Postar um comentário