terça-feira, 16 de abril de 2013

Poe's Black Wings (Asa Negra)

Bem me lembro!
Bem me lembro da noite enevoada em que voei
Voei para dentro do quarto do pobre homem aflito
E nada mais fiz, dito isso: Nunca mais!

Atirei a frase em seu sangue já coagulado
E seu pensamento secou
Secou há muito
O tempo atrasado

Na inércia de meus movimentos, o homem se viu
Se viu e chorou as lágrimas de outrora
Depois de dito tal feito
Nunca mais agora!

Tal homem morreu para sempre
Nos braços da doce Lenora
Bicho da semente que sente
Nunca mais pra sempre!

(Edu Neves)


Nenhum comentário:

Postar um comentário