domingo, 27 de dezembro de 2015

Tempestade (Parte 2)

Chegastes a mim como um sonho azul turquesa
Porém, perdestes a cor num devaneio abstrato
Ainda navego águas desconhecidas
À procura do último ato

Não seguirei seus passos
Pois são falsos e meticulosos
Suas lágrimas estão em estoque
Em algum lugar no pólo norte

Obrigado por ir embora, Vento do sul
Lhe agradeço ao ter me usado como sua rara flor
Amor disfarçado de sexo
Sexo com a máscara do inatingível amor

Proezas maléficas são suas pedras preciosas
Pois não há coração em seu peito
Talvez, no fim, haja algo
Redenção

(Edu Neves)



Tempestade (Parte 1)

Lago cristalino para matar a sede
Sede de sonhos à deriva
Lago cristalino para banhar a alma
Pura e doce neblina

Mar revolto em linhas tortas
Sem navios, cem voltas
Mar calmo e arisco, traiçoeiro
Barcos, capitão trapaceiro

Sombra de si na água escura
Penumbra cálida no oceano da vanguarda
Homens sem alma
Mulheres armadas

Fim dos tempos à longa distância
Maré alta, muros íngremes
Saudosa e tão perdida infância
De velas queimando esperanças.

(Edu Neves)