segunda-feira, 24 de outubro de 2016

O Verbo Sentir

Sinto a falta de sentir
Falta que não me faz rir
Sinto o pulsar da Terra no espaço
Sinto frio sem casaco

Ontem senti o perfume da primavera
Senti o que não era
Senti o início de uma nova era
Era que engole a atmosfera

Sinto na boca, o paladar amargo da sua alma
Um cristal quebrado
Um azul quadrado em retalhos
Sinto a sua carga leve e pesada

Deito-me na relva com os pássaros acima
Sem, versos, sonetos ou rimas
Pressinto a volta do cometa
E escrevo no papel, sem caneta

(Edu Neves)



Poema Do Recomeço

Olho pela janela e vejo flores mortas
Olho em sua direção e o caminho é longo
Edifícios grandes e casas tortas
O céu azul e imenso na volta do mundo

Olho pelo olho mágico da porta
Noites longas sem sonhos
Sonhos lúcidos de um moribundo
Migalhas poucas de um vagabundo

Estrelas ao redor da última galáxia
Corações aflitos em extinção
Animais vagando no deserto
Sem ar, sem fôlego, sem chão

Recomeço a escrever os versos simples
De um garoto com cem anos de solidão
Aparecem sombras em conflito
Com o sim, o talvez e o não

(Edu Neves)



terça-feira, 4 de outubro de 2016

Colibri

Voa ao longe, colibri
Com suas asas tecnicolor de um sonho distante
Com o cheiro do perfume da amante
Agarrando sua chance

Colibri, voe sob a era glacial de meu coração
Encontre as notas certas da última canção
Sua sombra refletida em meus olhos
Me cegam e calam a entonação

Toque as cordas desafinadas do velho violão
Toque a palma de minha mão
Toque na ferida
Pouse na hemorragia do chão

Alcance a violeta velha do chão de giz
Alcance-a e seja feliz
Feliz como nunca e sempre
Sorrindo, mostrando os dentes

(Edu Neves)




O Carteiro

Mensagens de amor
Cartas mal escritas de parentes distantes
Cartões postais de Londres
Bilhete azul do monge

Fotografias 3x4 distorcidas
Retratos em preto e branco
Uma luz no fundo pálido
Com olhos vermelhos de vinho tinto

Tinta para o meu rosto desbotado
Paredes brancas me dão dor de cabeça
Nem a carta de Melissa cura a dor
Talvez cause mais horror

Horror ao ler a carta de despedida
Despedida da centelha vermelha
Despedida da janela embaçada
Como despedida, uma carta

(Edu Neves)



quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Curva do Rio

Barquinho leva o nosso amor acima
Vai seguindo o destino riscado no rio
Leva na bagagem o perfume de uma flor
E as asas do Criador

E depois não se tem notícia de boiada
Nem rancho, nem mato, nem nada
O tempo que a tropa viajou
Caiu o mesmo tempo e trovejou

Casas assombradas no velho monte
Com as vacas pastando em Belo Horizonte
Sem o barulho dos carros
Sem passos, sem rastros

Dias e meses seguindo com o destino fluindo
E as mãos escrevendo histórias
E as cabeças voando pelos ares
Espantando todos os males

(Edu Neves)




segunda-feira, 19 de setembro de 2016

The Rain Song

Got you in the Rain
Got you on the River
There's a lot of little angels
Crossin' all those men

Breakin' all the rules
Playin' piano Blues
Got you in the Rain
Got you in my Groove

The stars above us
Are shining all those women
They're naked in the sun
Waiting the train to come along

When you don't think twice
Is when you love someone
There's no more cry
There's only love one

(Edu Neves)





quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Encontro Marcado (Parte 2)

Tempo impiedoso deixou cair uma lágrima
Refletida na saliva de sua boca
Trovões com a chuva da tarde
Arco-íris baixou o sol que arde

Toco o seu rosto com a ternura de Elvis
Enquanto se abre e se rende
Vejo estrelas cadentes entoando
Love me tender

Chuva certa e espera
A espera do cargueiro que adentrou nas sombras
Maquinista de cara amarrada
Sem sorrisos ou coisa que o valha

Subiu as escadas olhando para trás
Não queria ser a fraude de um capataz
Olhou-me pela última vez
Com o relógio marcando seis

(Edu Neves)



Encontro Marcado (Parte 1)

Esperando um cargueiro que nunca chega
Chega retumbante com boas novas
Chega reluzente feito um cometa
Sem dar passos falsos sobre a orla

Ela me chamou duas vezes
Surdo que sou, só ouvi quando a vi
Olhos cintilantes com bolhas de sabão
Ozzy nos deixou no chão

Feito dois pagãos, nos abraçamos no verde
Verde oliva debaixo do céu coberto de árvores
Verde e rosa, a cor não lhe importa
Desde que bata sempre na minha porta

Lírio de vidro que corta o sabor amargo
Estamos, somos um
Dentro de um abraço
Com nó cego no laço

(Edu Neves)



segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Rua Deserta

Ele anda com passos relutantes
A avenida que já foi rancho antes
Procurando as libélulas floridas
Aproveitando as suas chances

Sem brilho nos olhos castanhos
Com um coração sem tamanho
Sem documentos no bolso
Sem amantes se amando

O tempo passando é passado
Largou de mão o travesseiro de penas
Confiou no Papai Noel e suas renas
Hoje vive em novena

A rua deserta está desperta
Com seus vigilantes à espreita
Mas quem os vigia?
Alguém no céu, enquanto ele se deita

(Edu Neves)



A Hora H

Minutos passam ao redor
Não posso comprar nem um segundo
Posso comprar
A utopia de ser feliz nesse mundo

Mundo imundo e sem fundo
Aqui estamos, esperando por uma luz
Luz no centro do universo
Inverso e azul

Geração perdida e sem peso na história
Sem guerras mundiais, com ás
Com reis e valetes
Voltando atrás

Rush no centro da cidade fantasma
Tráfego de almas perdidas
Trancafiadas em suas bolhas de espuma
Fazendo de duas facetas, apenas uma

(Edu Neves)



sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Shaman

Grande Sábio que me entrega sua fortuna
Líder do Rio Místico que enxerga no escuro
Ajude-me a depositar minha ruína na urna
Como um lobo cinza, astuto

Grande Sacerdote em transe
Possuis visões e cura sua tribo
Entoando os cânticos de antes
Dando abrigo à quem corre perigo

Senhor da Floresta, salve-me
Me liberte das aflições urbanas
Conte-me sobre a águia que voa longe
Com suas asas e garras humanas

Senhor dos Tambores que ecoam
Livra-nos das prisões metafísicas
Abrem as portas do verde vale
Sem bilhetes para atrações turísticas

(Edu Neves)



quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Good News

There's no brain damage, mom'
There's no pain, no suffer in your head
It's just a little veil's pick
Trouble no more and miles ahead

I ain't got nothing but the Blues
You had a bussy day
Long hot summer night
No demons to come arrive

Lord knows you're will be fine
I know how you feel, feel like a shine
Storms have been gone
And there's no lonesome (Soul)

Wish i could fly above us
But i've been tried to take the warm gun
And to shoot white roses against them
And finally, to come in Neverland

(Edu Neves)



segunda-feira, 15 de agosto de 2016

1969

Os anos passaram e ainda estamos no rancho
O rancho do Velho Gordon
Ouvindo canções doces
Enquanto o Vietnã nos dá um coice

O Rancho é a moradia do filho que ainda vai nascer
Milhões de cabeças sacudindo os ossos
Rock & Roll nos auto-falantes
Deu a partida, o Cavaleiro Andante (Dom Quixote)

Bombas caindo, eles disseram
Mas era um franzino com distorções elétricas
Violões velhos num canto
Mas era Joan Baez com seu canto, ostentando

Os garotos com cabelos longos e faces juvenis
Estão brincando na lama
Enquanto no tribunal, chora o juiz
E deita em sua fama

(Edu Neves)




Love Song

Diante da porta, paro e espero
Espero o florista
Lhe entrego as rosas brancas
E as neves do alpinista

Olho por cima dos ombros da moça à minha frente
Nada de novo nas fronteiras
Nada de novo em seus olhos reluzentes
Sangue novo em suas veias

Como um gago digo-lhe às pressas que o trem vem vindo
Lugares reservados nos foram tomados
Taças de vinho tinto embotadas
Copos quebrados

Chão de esmeraldas à nossa frente
Estrelas adiante
Separatistas sem dentes
Sorrisos indecentes

(Edu Neves)



domingo, 7 de agosto de 2016

Esperança (Running on Faith)

Guardo em mim o resultado final
É alívio pra você e para os seus
É dor passada que ainda não chegou
É um pedaço amputado que não a devastou

No entanto, o dia está próximo
Próximo de encerrar a dúvida avassaladora
Fé me surge nesse instante
Fé que me faz seguir adiante

Seus botões estão guardados em papel de seda
Seus olhos estão me guiando para a Via Láctea
Mom, you don't know what is it?
You know myself better than me

Esperança, deposito em outras mãos
Mãos de outro Estado
Outro palácio
Outro vocábulo

(Edu Neves)



Máquinas Voadoras e Pedaços no Chão

Céu azul
Nuvens pálidas e cheias de energia
Batem no acostamento de uma nebulosa
E nos manda sua água fria

Pessoas ao redor
Almas sedentas de amor
Batem umas nas outras com suas armas verbais
Se anulam depois com outros tais

Tráfego congestionado
Uma serpente marinha dobrando a avenida
Com seus motores desligados
Com suas baterias infinitas

Chão desgastado
Pegadas de um andarilho
Passos que ecoam na vasta estrada
Passos que não dão em nada

(Edu Neves)



Sem Nome (Parte 2)

Não há tato
Na boca infértil dos ratos
Sim, eles continuam comendo os nossos restos
Restos de esperanças e dados jogados

Seta não acerta o alvo que me alivia
Acerta outra coisa
Que me desespera
Coisa não entendida

(Edu Neves)




Apagam-se as Velas

Estamos no escuro
No vazio que criamos e enfeitamos
Estamos em cima do muro
Muro que concretizamos

Velas se apagaram
Eu me acendi
Todos se acenderam
Quando o escuro obscuro se doeu

(Edu Neves)



Melodia

Emoção e comoção
Trago-lhes uma sétima e nona dor
Sustenida é a vida do ator
Bemol é o ar quente do calor

Uma nota suspensa no ar de riso da Monalisa
Tudo que rabisca
Cria
Fadiga

Tenho dissonâncias à pagar
Um vaso que a cantora lírica não pode quebrar
Uma tablatura ao contrário
Desafinado o violino para tocar

Então, visto minha calça Skinny
Sendo alguém, imagino Paganini
Primeiro da igreja e do concerto
Certo e reto, sujeito que não contesto

(Edu Neves)



Delete

Risque os riscos e apague os temores inválidos
Façamos, vamos amar (Cole Porter)
Sejamos os franco-atiradores de rosas
Vermelhas, brancas e Tecnicolor

Vejamos o nascer e o poente
Astro Rei contente
Esqueçamos o que fez de nossos olhos, corrente
Correnteza de lágrimas pungentes

(Edu Neves)



Lugares

Eu não estou lá
Estou aqui, sendo estado de espírito
Espírito oculto que não vejo
Luz no incomum cargueiro

Estou onde?
Na mente e no coração materno
Dentro de mim exalta
O mais bonito verbo

(Edu Neves)




A Faca e o Queijo

Temos um único tempo
Nosso tempo
Um minuto que vai
Não podemos comprar outro minuto lento

Fazer agora para ser lembrado ou esquecido
Memórias sem brilho
Cidade fantasma sem bandido
Coisas ruins que aniquilo

(Edu Neves)



Desconto à Vista

Perco minha visão, ilusão
Perco meu pesadelo lúcido
Aflição
Perco-me em infusão

Sem óculos para longe ou perto
Sigo reto com o coração na mão
Ontem foi um dia longo
Al Pacino em Um dia de Cão

Fecho os olhos e enxergo tudo
Tudo que não pude ver
Tudo que não pude ser
Tudo que posso escrever

O tudo ainda é nada
Vivendo no fio da navalha
Não sou poeta que se respeite
Sou um Beat fazendo meus enfeites para que alguém talvez se deleite

(Edu Neves)



África

Mãe de todos os ritmos
Somos filhos ingratos
Bastardos ocidentais
O Rock & Roll tem seus sais minerais

Mãe de todas as tribos
Somos seus leões sem filhos
Perdidos em seu deserto
Procurando seu rio

(Edu Neves)



sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Um Sonho a Mais

Sonho comigo na Lua
Deve ser meu lugar
Sonho com a minha Lua
E sonho com a Lua caminhando na rua

Pesadelos com quem deixou-me não os tenho
Só tenho sonhos férteis agora
No clarão da aurora
Em qualquer hora

Um sonho a mais
E quase não sonho mais
Talvez com a Nona de Beethoven
Ou com qualquer Blues de ontem ou de hoje

Deixo meus olhos choverem
Inundando e limpando o quadro negro
Deixando escapar qualquer segredo
Me escondendo e sendo seu brinquedo

(Edu Neves)



Magia Branca

Ela com seus unguentos me livra das dores do mundo
Me transforma num melro
E me leva para acima das águas geladas
E me pousa em seu ombro esquerdo

Conhecedora da natureza
Me livra dos demônios da cidade grande
Sou apenas um garoto sem asas
Agora, dê-me algo com o qual eu fique deslumbrante

Então, ela me deu uma bata imaculada
Um cristal azul e uma pedra de ametista
Tudo para ser queimada impiedosamente
Na inquisição equivalente

(Edu Neves)



Charles

O operário vem vindo
Lhe trazendo um copo de vinho
E um corpo limpo
Para você se deleitar

És Jesus?
A juventude dessa espelunca acredita que sim
Talvez seja
Talvez esteja

Esteja louco
Ou maquiavélico
Não é pelo dinheiro, nem pela fama
Pelo que é? Não me engana.

Polanski sofreu com a sua misericórdia
Não mais que a jovem que ajudou a prendê-lo
É o maior ladrão de todos os tempos
Roubou uma canção e a colocou em seu templo

(Edu Neves)



Adeus, Estrada dos Tijolos Amarelos

Teclo em seu piano de vidro com peixes dentro
Vivem ouvindo seu timbre peculiar
Vivem com ar
Ar com Lá

Lá menor com sétima
E começa seu show
Seu amigo Billy te assiste atentamente
Com a estrada em sua mente

Estrelas se juntam a você
A bailarina teve um dia de cão hoje
Então abraça-te com ternura
Abraça-te com saudade de um tempo não vivido

Uma lamparina luta forte contra o vento
E a sua princesa se foi
Você disse que é o ciclo da vida
Eu digo que é uma ferida

(Edu Neves)




Oriente

Lembranças do Ocidente infeliz
Trago os poemas de Bashô
Ou o ar de Xangô
E me sinto feliz

Povo de sabedoria milenar
Talvez me orientem
Povo do Oriente
Vivem um inverno quente

(Edu Neves)



O Povo X Mr. Jones

Andando no quarto com uma caneta na mão
Sim, ele sabe que nessa jaula as regras dele não se aplicam
Aplicam injeções de emoção
Para salvar-lhe o coração

Então, ele vê alguém no espelho quebrado
Mas ele se vê em quadrados
Julgamentos para todos os lados
Mr. Jones não sabe agora qual é o seu lado

Há algo, mas ele não sabe o que é
Mas agora pode sentir
As injeções lhe caíram bem
Agora é um Geek

Um garoto assustado dentro da cela
No escuro, sem vela
O que lhe resta, são ideias
Um tanto quanto controversas

(Edu Neves)



The Rain (Chuva Passageira)

Águas de novembro lá fora
Lágrimas de dezembro aqui dentro
Dentro do corpo paralisado pelo passado
Dentro dos olhos de plástico

Continua chovendo o ano inteiro
Ou talvez sejam meus olhos embotados
Seja um rinoceronte com seus olhos tristes
Derramando uma lágrima e refletindo a minha crise

Ele pinta o Rinoceronte
Ele me pinta
Dalí, pinta quem quer que seja
Desde de que haja tinta ou chuva

Outros eus me pertencem
Não me encontram, pois fujo deles
Sempre trazem à tona o mal que há na chuva
O mal que há em mim

(Edu Neves)



Lisboa

Azulejos quadriculados formando um cavalo marinho
Ficam em minha mente
Ficam no meu caminho
Como um passeio ao largo do Porto, sozinho

Esteja aqui ou ali, Portugal sempre esteve em mim
Sempre esteve em ti
Em nós
Esteve nos nossos lençóis

Meu desabafo soa retumbante
Como um fado dissonante
Até que a vida os separe
Na alegria e na tristeza, como houvera antes

Afogo mágoas em meu Bandolim
Tiro as notas de algum bêbado
Um imigrante de Pequim
Um solitário Tejo nesse versinho

(Edu Neves)



Lembranças à Anne Frank

Ela disse que viveria até o último pôr do sol
Ela acreditava nos seus vampiros sedentos
Acreditava na vida fora do centro
Centro do universo, epicentro

Mundo de trevas e luz
Luz que não apagava as trevas
Trevas que geravam corpos nus
Cheios de sede, dormiam na capela

Seus diários foram roubados
Por um pobre coitado que dizia que o fim estava próximo
Mas ele queria continuar lindo e vazio
Os mortos recebem mais flores do que os vivos

(Edu Neves)





Frases De Efeito

Uso frases de efeito
Para cobrir mil defeitos
Defeitos da vida
Com seus cabrestos

Frases de efeito
Com o coração alado
Ou em pedaços
Ganho a vida em um sorteio

Normas aplicadas à nós
Desatam os nós da liberdade
E a juventude cruel se apaga
Com a chama da crueldade

A placa diz que é uma rua de mão dupla
Então sigo entre duas vielas nuas
Como se fosse um peixe num aquário
Ou vestido desbotado

(Edu Neves)



quinta-feira, 28 de julho de 2016

Trem Noturno

Os trilhos são as mentes cheias de presente
Presente virando passado
À cada segundo
No subsolo do Mundo

Época de Ouro em Paris
Em meus olhos, os olhos da atriz
Secam as águas do Mar
Enquanto alguém sobe no altar

Eu escrevo daqui
Salvador, Dali
Um índio passa inerente pelo cargo de patrão
Enquanto tomam sua terra na contra-mão

Última estrofe de Cole Porter
Let's fall in Love
Até que um sonho vire concreto
Tudo está certo

(Edu Neves)



terça-feira, 26 de julho de 2016

Sábado Calibre 45

Quero dar-te mais do que flores
Mais do que letras
Mais amores
Mais sabores

Sem essa de dia festivo ou sorrisos forçados
Mas não precisa ser dia de olhos alagados
Dia comum, um, entre tantos
Seu dia, entretanto

Que o Sol esteja sempre à sua frente
E que o vento te leve para dançar com as estrelas
Que a chuva molhe a sua fronte
Que a Força Estranha leve o Blues pra longe

Obrigado pela minha vida
Pela minha vinda
Pela minha epiderme
Pela presença contínua

(Edu Neves)



Ana

Surge das árvores, dos troncos de cem anos
Deu-me a mão, quando no mundo, havia engano
Leu a minha sorte e contou-me sobre a ilusão da morte
É a Ninfa de arco e flecha que me cobre

Sentou no sofá e bebeu Champanhe (Things Have Changed - Zimmerman)
Pulou no Mar, sendo sugada
Depois emergiu radiante
Com os olhos de diamantes

O brilho da noite é a calmaria em seu peito
No que pensas quando está no leito?
O que vê quando está com os olhos fechados?
Para onde vai quando o coração está em pedaços?

Te faço rimas por não saber fazer sonetos
Tangerine, onde está o terço?
Fere os injustos (Just Like a Woman - Zimmerman)
Depois muda de ideia e corta o cabelo

(Edu Neves) *You Know i can't let you slide Through my hands (Wild Horses - Jagger/Richards)



segunda-feira, 25 de julho de 2016

O Eixo, Segundo Stephen Hawking & O Eixo, segundo Jimi Hendrix

Gênio paralisado por quatro rodas
Sorriso fraterno de quem viajou o mundo e conhece todos os cosmos
Olhar gentil que deixa você paralisado
Otimista que espanta as aves de rapina do Vaticano

Gênio com três braços
Cordas invertidas e alma introvertida
Ainda vive fazendo amor com as seis cordas
Mesmo quando ainda não havia

Homem de palavras robóticas
E buracos negros como elementos centrais
Sonda as profundezas do Universo
Sem ser controverso

Homem de muitas melodias
Buracos negros na alma azul
Veio do Norte e ganhou Londres com apenas um solo
Ganhou também Linda, que lhe deu colo

Humano precoce de Oxford
Ganhou a Lucy in The Sky
Ganhou sintetizadores
E vive amores

Humano branco, preto e Blue
Criou asas, sendo serpente
Lutou contra a indústria fora de sua mente
Criou a névoa púrpura, a casa vermelha e a Electric Ladyland

Um, usa óculos
Outro, usava cores
Um é Bing Bang
Outro é Bold as Love

(Edu Neves)








Revolution Number 666

P.S.: (Isso não é um poema. E desabafo soa como se fosse vitimização. É uma metáfora dançando com a vida real)

Deixaste  o bastardo com a Mãe
Evaporou-se todo o esplendor que nunca tivera
Onde está você? Ou devo chamá-lo de senhor?
Senhor, Mr. Jones (Something's happenin' here, but you don't know what it is)

Sabe o que é viver uma vida tripla, hã?
Seja em Londres ou no nosso Nordeste
Não sabe quem eu sou
Não sabe quem és (Sabe dar no pé)

Mamãe ainda está em casa com a alma cheia de lutas (Power of Love)
Vovó ainda vive com a fé alta
Vovô nos deixou em carne viva (Deus o abençoe. Clapton is God)
Joseph está conosco, mas nunca com ele mesmo (Palito de fósforo é quem esquenta a cabeça)

Termino sozinho a jornada? (Maybe tomorrow)
Sigo em frente com a revolta? (It's all over now, baby blue)
Órfão com uma arma na mão para atirar não sei em quê
Ninfa de arco e flecha, ajude-me e me segure (Sei que é pedir muito)

Revolta, raiva, felicidade, alegria
Da última devo ter alergia
E volto à revolta (Get Back, Jojo)
Talvez haja a reviravolta (Because the Wind is high, it blows my mind)

Hoje, inteiro ou pela metade, não sinto frio
Good Times, Bad Times
Dazed & Confused
I've been messin' 'round with no his presence

Não sonho com você, maldito
Não me lembro do seu rosto
Costumava ser bonito (Now you don't talk so loud & don't seems so proud)
Onde estão as moças bonitas que morriam por ti, verme? (Até o tapete sem você, voou)

Onde está o ferro de passar? Queimou sua alma sebosa, certamente.
Que diabos fez da sua vida, infeliz?
Mamãe não precisou tirar o vestido, como desejou.
Talvez, você precise tirar. Não o vestido, mas a vida. A sua. (Helter Skelter)

Não vou achar outro você
É melhor esquecer? (Merdas acontecem. Run, Forrest, Run!)
Culpa, perdas e danos. Danos cerebrais. (Your lips moves, but i can't hear what you say)
Quando ouvi, quebrou a promessa. (Tem talento pra isso, hã?)

Vinte anos (Hole in my Soul)
Sem um centavo de amor
Sem um número de hotel (Mr. Cab Driver, fuck you. I'm a surviver)
Talento sem ética, usando licença poética. (Someday after while, you gonna be sorry. Or not. But nevermind)

The End (Our only friend)

Father, you had me. But i never had you. (Desculpe, John & Mrs.Yoko.)

P.S.: Yoko, a culpa não foi sua. Só os idiotas pensam dessa maneira.


(Edu Neves) (Mother's Natural Son)








segunda-feira, 11 de julho de 2016

Sweet April

Do you remember when
We used to shine all around
You could be fight against the hell
With your eyes

But you leave us
And i feel cold inside
I bet your mama dont know what's
Happenin' with the life outside

Sweet April the sky is blue
You couldn't see the pleasure on my smile
When i was with you

(Edu Neves)




How many tears will fall

The love comes around the world
And sometimes
I feel he lyin' in my golden bed
Then i just cant sleep to be glad

But how many tears will fall
How many tears will i cry
Before you back to my arms

The love comes around my room
And sometimes
He just push play to hank sing
And makes me forget things you bring

The love goes away with the wind
And sometimes
It keeps bringin' memories of you and me
And makes me remembre how you used to be

(Edu Neves)



Lonesome Dreamer

Where's the Dreamseller
Can i pay to dream
Or tear my skin

I wanna to climb the highest moutain
And find the golden fields
To kiss honey lips
And not cold as stone

Lately i've been searchin'for the rainbow
But all i found are the colors you left behind
The lonesome dreamer keeps goin' on
There's so many colors he gotta find

(Edu Neves)




Tony is here

There's an angel of mercy above me
And all we gotta do is to pray in heaven

Cause Tony take my hands
And give a little tramp a skies glourious fortune

There's a man in a God
And given a garden for

All your secrets will die with me
Your eyes tell me the Tony's story

Just like a bluebird, they shot him
And now her jokes are rememberin' me

Tony is here

(Edu Neves)




I've been Missin' you

Girl, i've been missing you
Girl, you're my ecstasy
You know a love like our love
Don't come easely

Girl, an amazing feeling comin' through
Girl, when i look in your eyes
I feel that blue is not my color
Girl, i wish i could i fly (Just to see your eyes again)

Girl, i've been missin' you
'Cause you give me your diamonds
And then you're gone
And sleeped away

You'll find yourself
You'll find yourself

Please come back to me

Don't sleep away

Away...

(Edu Neves)



Lótus

Lótus come and go
Lótus she's floatin' over me
I ain't dont believe
Lótus really care 'bout me

Sweet Surrender so
You gimme my lost soul
And now i see

Lótus how you try
Lótus you can't fly with mo wings
I'll never gonna hurt you Lótus
I swear i'll do my best for you

(Edu Neves)








What can a poor boy do?

I ain't got money
Ain't got money for you

I just got a black rose in my hands
I bet you
ain't have no blues

Ain't got your love
Ain't got your love for me

I just have a little suitcase
It's open
and there's nothin' to see

Ain't got no name
They keeps calling me fool

Just wanna play my guitar
'Cause what can a poor boy do?

(Edu Neves)




Warfare

We used to live in lost paradise
It was yesterday
But the gravity has done her job
And now i'm drownin'
On my Own tears

Cause the real thief is watchin'
The sunset and drinkin' martini
Just to be alone in the dark
While the night comes and
Tear us apart

We used to live on the biggest city
It was yesterday
But the gravity has done her job
And now i'm afraid
Of my own smile

(Edu Neves)



Third Flat

I was gin' down
Goin' down slow
Then your watch wake me up
Just a five o' clock
And at the same time in some room beside
Many shots over and over
With nobody to Mind

It's a blind man with a gun
How can he do that
So i take my guitar
Before to escape the third flat

(Edu Neves)




Children

It's a long way to the top
But, where is the top?
Top model?
There's no top, baby

You got to be free, boy
Comes a time
Can't you feel it?
Policemen are behind you, son

But now you are the top
Sitting on the top of world
Be happy, son
Comes a time

The sun is for you, child
For us
Us and Them
And after all, we're only Children

(Edu Neves)




Sobre Padrões

Quem é que joga os dados?
Qual é o lado certo da estrada de mão dupla?
Social é a minha calça
Uma mala sem alça

Sou o carteiro de mim mesmo
Digo que sinto o amor por mim mesmo
Não importa o meu rosto ou meu peso
O peso se mede pelo valor do eu

Branco, amarelo ou azul
Não existe cor para embarcar no trem das sete
Quando ele chega, só se pode conformar
Ou chorar

Seus caixões estão prontos
Enrolados com seda branca
Cheios de cupins
E nenhum querubim

(Edu Neves)