sábado, 2 de janeiro de 2016

Não Estou Em Ninguém

Tempestade no telhado de vidro
Aqui, eu e mais ninguém
Provo do fruto proibido
Alcançando o além

Ouço o som da guitarra me punindo
Pelos erros que deixei de cometer
Correndo como um menino
Virando criança para crescer

Vejo os sinais da noite escura
Fria neblina do amanhecer
Mídia versus censura
Um osso duro de roer

Vejo a palidez de Melinda
Clara luz à longa distância
Cavalo branco sem crina
Caminha sob um rio de esperanças

(Edu Neves)



Nenhum comentário:

Postar um comentário