sábado, 2 de janeiro de 2016

O Último Concerto

Viva Vivaldi e sua nebulosa
As ostras do oceano estão famintas
Assim como diante da moça formosa
Que revelou suas partículas íntimas

O último adeus de Deus
Acenando ao avião sem asas
Meu anjo é o ventre seu
Com a semente do azul plantada

Venha a mim o violino perverso
A tumba de Drácula ressoa
Não tenho tempo de escrever o último verso
Por falar em terceira pessoa

Viajando pelo espaço (Across The Universe)
Sem botas para sujar
Vendendo selos lacrados
Com a ternura que vai ficar

(Edu Neves)




Nenhum comentário:

Postar um comentário