quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Curva do Rio

Barquinho leva o nosso amor acima
Vai seguindo o destino riscado no rio
Leva na bagagem o perfume de uma flor
E as asas do Criador

E depois não se tem notícia de boiada
Nem rancho, nem mato, nem nada
O tempo que a tropa viajou
Caiu o mesmo tempo e trovejou

Casas assombradas no velho monte
Com as vacas pastando em Belo Horizonte
Sem o barulho dos carros
Sem passos, sem rastros

Dias e meses seguindo com o destino fluindo
E as mãos escrevendo histórias
E as cabeças voando pelos ares
Espantando todos os males

(Edu Neves)




segunda-feira, 19 de setembro de 2016

The Rain Song

Got you in the Rain
Got you on the River
There's a lot of little angels
Crossin' all those men

Breakin' all the rules
Playin' piano Blues
Got you in the Rain
Got you in my Groove

The stars above us
Are shining all those women
They're naked in the sun
Waiting the train to come along

When you don't think twice
Is when you love someone
There's no more cry
There's only love one

(Edu Neves)





quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Encontro Marcado (Parte 2)

Tempo impiedoso deixou cair uma lágrima
Refletida na saliva de sua boca
Trovões com a chuva da tarde
Arco-íris baixou o sol que arde

Toco o seu rosto com a ternura de Elvis
Enquanto se abre e se rende
Vejo estrelas cadentes entoando
Love me tender

Chuva certa e espera
A espera do cargueiro que adentrou nas sombras
Maquinista de cara amarrada
Sem sorrisos ou coisa que o valha

Subiu as escadas olhando para trás
Não queria ser a fraude de um capataz
Olhou-me pela última vez
Com o relógio marcando seis

(Edu Neves)



Encontro Marcado (Parte 1)

Esperando um cargueiro que nunca chega
Chega retumbante com boas novas
Chega reluzente feito um cometa
Sem dar passos falsos sobre a orla

Ela me chamou duas vezes
Surdo que sou, só ouvi quando a vi
Olhos cintilantes com bolhas de sabão
Ozzy nos deixou no chão

Feito dois pagãos, nos abraçamos no verde
Verde oliva debaixo do céu coberto de árvores
Verde e rosa, a cor não lhe importa
Desde que bata sempre na minha porta

Lírio de vidro que corta o sabor amargo
Estamos, somos um
Dentro de um abraço
Com nó cego no laço

(Edu Neves)



segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Rua Deserta

Ele anda com passos relutantes
A avenida que já foi rancho antes
Procurando as libélulas floridas
Aproveitando as suas chances

Sem brilho nos olhos castanhos
Com um coração sem tamanho
Sem documentos no bolso
Sem amantes se amando

O tempo passando é passado
Largou de mão o travesseiro de penas
Confiou no Papai Noel e suas renas
Hoje vive em novena

A rua deserta está desperta
Com seus vigilantes à espreita
Mas quem os vigia?
Alguém no céu, enquanto ele se deita

(Edu Neves)



A Hora H

Minutos passam ao redor
Não posso comprar nem um segundo
Posso comprar
A utopia de ser feliz nesse mundo

Mundo imundo e sem fundo
Aqui estamos, esperando por uma luz
Luz no centro do universo
Inverso e azul

Geração perdida e sem peso na história
Sem guerras mundiais, com ás
Com reis e valetes
Voltando atrás

Rush no centro da cidade fantasma
Tráfego de almas perdidas
Trancafiadas em suas bolhas de espuma
Fazendo de duas facetas, apenas uma

(Edu Neves)



sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Shaman

Grande Sábio que me entrega sua fortuna
Líder do Rio Místico que enxerga no escuro
Ajude-me a depositar minha ruína na urna
Como um lobo cinza, astuto

Grande Sacerdote em transe
Possuis visões e cura sua tribo
Entoando os cânticos de antes
Dando abrigo à quem corre perigo

Senhor da Floresta, salve-me
Me liberte das aflições urbanas
Conte-me sobre a águia que voa longe
Com suas asas e garras humanas

Senhor dos Tambores que ecoam
Livra-nos das prisões metafísicas
Abrem as portas do verde vale
Sem bilhetes para atrações turísticas

(Edu Neves)