segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Poema Do Recomeço

Olho pela janela e vejo flores mortas
Olho em sua direção e o caminho é longo
Edifícios grandes e casas tortas
O céu azul e imenso na volta do mundo

Olho pelo olho mágico da porta
Noites longas sem sonhos
Sonhos lúcidos de um moribundo
Migalhas poucas de um vagabundo

Estrelas ao redor da última galáxia
Corações aflitos em extinção
Animais vagando no deserto
Sem ar, sem fôlego, sem chão

Recomeço a escrever os versos simples
De um garoto com cem anos de solidão
Aparecem sombras em conflito
Com o sim, o talvez e o não

(Edu Neves)



Nenhum comentário:

Postar um comentário